Conflito nos transportes públicos de Vila Real.



O grupo mexicano de transporte de passageiros ADO, através da sua participada espanhola Avanza, está há vários meses em conflito judicial com a autarquia de Vila Real.
No final do ano passado, após um concurso para a concessão dos transportes urbanos da cidade de Vila Real, a participada do grupo mexicano, Corgobus, que assegurava o serviço há vários anos, ficou em segundo lugar, perdendo-o para a empresa Rodonorte.

O grupo ADO Avanza impugnou a decisão tomada pelo júri do concurso, já depois de ter contestado a decisão junto do referido júri, iniciativa que não foi tida em conta.



“Por essa razão, o grupo Avanza optou por impugnar judicialmente o resultado do concurso, bem como interpor uma providência cautelar para a suspensão imediata da adjudicação e do contrato, caso este último fosse entretanto celebrado”, explica um comunicado do grupo mexicano.

“Presentemente, e à semelhança do que tem vindo a ocorrer neste tipo de casos – tomando como exemplo o ocorrido com o Metro do Porto –, cabe ao operador à data do concurso retomar a sua actividade, de acordo com a determinação do Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela que ditou “...a suspensão do ato de adjudicação em causa e do contrato a que este respeita”, decisão já confirmada pelo Tribunal Central Administrativo Norte”, sublinha o referido comunicado.

Por isso, o grupo mexicano considera “incompreensível que o novo operador tenha iniciado a actividade e continue, de momento, a prestar o serviço, apesar das decisões judiciais que, com carácter vinculativo e de execução imediata, determinam a suspensão do acto de adjudicação e do contrato celebrado”.

“O grupo ADO Avanza através da Corgobus está disponível para assegurar o transporte urbano da cidade de Vila Real, sendo a solução que assegura o pleno respeito pelas decisões judiciais já tomadas, sendo ainda a solução lógica e que garante a qualidade de serviço que existiu ao longo de 11 anos. Tudo estamos e continuaremos a fazer no sentido de ser reposta a verdade”, assegura o grupo mexicano.

Leia o artigo na integra em: Jornal Económico
Com tecnologia do Blogger.